quinta-feira, 30 de novembro de 2006

"VOCÊ É MUITO BONITA."

Hoje escrevo para as garotas. Há quanto tempo vocês não ouvem as frases:

“Você é muito bonita.”

ou

“Sabe, você é linda!”?

Encanta-me a imagem pintada por Leonardo da Vinci, a Monalisa, cuja androginia é intrigante. É bela e nem um pouco sensual. Indefinida. Qual será o seu grau de feminilidade?

Admiro as belas e bravas mulheres que fugiram da ditadura machista e se permitiram serem originais, até cafonas, livres, mas deixaram para trás o dever de servir à fantasia masculina.

Não há a obrigação de sermos brinquedos sexuais. Se há a obrigação de uma postura, ela é recíproca.

Ser uma pessoa sexy, gostosa ou charmosa,... cansei de tudo isto. Um comentário sobre a beleza é sutil, aumenta a auto-estima. Coloca-nos diante do espelho com grande satisfação.
Na tarde desta última terça-feira eu ouvi a primeira frase. E não foi do meu atual namorado. Confesso que gostei e me senti feliz. Foi um elogio, considerando que partiu de um rapaz de 22 anos que freqüenta habitualmente meu ambiente de trabalho. Foi sublime. Também ouvi que sou muito jovial para a minha idade.

É comum ser abordada todos os dias por homens que elogiam com os olhos voltados a outras partes do corpo que não o rosto. Não sou uma garota fácil. Deixo claro que tenho um compromisso com um rapaz que me respeita, que tem carinho por mim. O rapaz, que também é mais novo, tem dado boas contribuições para o meu amadurecimento emocional, porque sem o seu freio, sou uma alma furiosa. Por sorte e por intermédio de uma amiga, ele cruzou o meu caminho.

Palavras, certos olhares, frases utilizadas em determinadas situações são capazes de provocar sensações boas, inusitadas e às vezes perturbadoras. Mas pequenos gestos desprovidos de intenção compensam qualquer dissabor.

Não escondo a euforia de descobrir-me bela, desejável. Não tinha esta concepção a meu respeito na juventude nem em boa parte da vida adulta. Confesso que sou apenas aprendiz no universo ao qual me inseri e que estou vários degraus abaixo de minhas colegas em igual condição. Sei que choco pelo meu quadro de indefinição e espero paciência. Admito minha condição de cisne, de deslumbre. O que importa é que sei o que quero. Quero ser bem tratada, surpreendida, viver boas emoções, receber moderadas críticas e acima de tudo ser tratada com respeito.

Porque sei que é um sonho possível.


Quando falo de respeito, é óbvio que não é sobre meu relacionamento íntimo. Trata-se de uma situação particular em minha equipe de trabalho. É algo que tenho tentado mudar nos últimos meses e até que obtive bons resultados. Vivo uma luta comum para qualquer garota que, como eu, preferiu uma carreira convencional. Ou uma carreira não convencional para uma garota do tipo especial. Sim, agora tenho um rótulo. Sou uma garota especial. Espero que o adjetivo seja satisfatório.

Um beijo.

Um comentário:

Vitoria Lobato disse...

Nos surpreendemos quando deparamos com pessoas que nos veem com outros olhos. Há aqueles que olham apenas o nosso corpo, mas são poucos os que olham para os nossos olhos, que são as janelas do nosso espírito.
Essa pessoa com certeza tem nobreza de espírito.
bjs